01/04/2007

Cidade Águeda

Olá pessoal! As coisas por aqui andam tudo bem. Na segunda-feira (26/03) não tivemos atividades, apenas a notícia de que a palestra onde teremos contato com as comunidades onde o NEMA atua será dia 02/04. Na terça (27/03), fomos convidados para ir numa reunião ao qual o NEMA está envolvido. Fomos à Cidade de Águeda e participamos da reunião, juntamente com o Rodrigo (Oceanólogo do NEMA), moradores do local, agricultores da região e representantes do Conselho de Auxílio às Famílias do bairro.


A Cidade de Águeda é um conjunto habitacional que tem pouco mais de 4 anos. Seus moradores foram "convidados" a se retirar da região central de Rio Grande, e dos locais de estuário. Estes moradores são vistos como "favelados, ladrões, etc", estes adjetivos que grande parte da população coloca em pessoas da classe mais humilde. A Cidade de Águeda é composta de casas minúsculas, todas iguais em sua forma, com 1 quarto, sala e cozinha conjugadas, com um terreno em torno de 40 m2 cada uma. Portanto, uma família com 7 pessoas (cada família tem uma média de 5 filhos) tem que se apertar para caber na casa. Não há privacidade, pois as casas são grudadas umas nas outras. O telhado é baixo e de amianto, muito quente. Ou seja, foram postos numa situação caótica.


Descaso


Na reunião conhecemos o morador Omaro e o agricultor orgânico Tomás, ambos uruguaios e envolvidos no projeto do NEMA, que tem como objetivo capacitar as pessoas a implementar em suas próprias casas uma horta. O morador Omaro é um dos mais ativos da comunidade e, assim como o Tomás (consultor do NEMA), ajuda o Rodrigo na organização do projeto, entrando em contato com os demais moradores para que eles também entrem como pessoas ativas do projeto. Após a reunião fomos conhecer a casa do Omaro, apesar do pouco espaço, ele planta em tudo quanto é canto, utilizando caixas de feiras, canos de pvs cortados, etc. Ele se vira como pode. Nos demais dias da semana ficamos de molho, pois estamos dependentes do NEMA para poder dar continuidade ao nosso projeto.

No sábado (31/03) fomos à chácara do Tomás para conhecer e dar uma mão à ele na construção de um espaço para beneficiamento dos produtos orgânicos que planta. Este espaço também será utilizado para cursos de como fazer pão integral , doces, compotas, entre outras atividades. Tomás fez parte da fundação de uma comunidade no Uruguay, onde eram produzidos produtos orgânicos, as construções eram de barro e tinham (ou quase) a auto suficiência, ele conheceu uma brasileira, a Cleusa que é arte educadora e se apaixonou. Largou a comunidade lá no Uruguay e veio para cá começar tudo de novo.

Tomás e os girassóis

Sua chácara é linda!!! Já na entrada há um labirinto de plantas (projetado pela Cleusa), hortas verticais, grades com parreiras e flores cheirosas. Ele planta consorciando plantas, e em formas diversas e sempre criativas. Está implementando um galinheiro onde as galinhas ficarão livres num espaço cheio de árvores frutíferas delimitado por plantas espinhentas. Está se planejando para ter vacas leiteiras e produzir o próprio queijo e também vender. As coisas estão andando devagar por lá, pois ele trabalha sozinho, apenas de vez em quando (aos sábados) ele recebe pessoas interessadas em aprender e ajudar!!
Os açudes da chácara

Ficamos lá o dia todo, virando concreto, carregando pedra, bebendo cerveja, pinga e outros, comendo uma comidinha deliciosa e orgânica e dando muita risada, saímos de noite. Ficou combinado de que semana que vem vamos voltar lá para construir um banheiro seco. O Rodrigo nos deu de presente ingressos para o cinema, mas como voltamos muito tarde para casa, passou o horário e acabamos indo para uma festinha que um dos amigos do Samuel (o Gaúcho) fez em casa, com direito à deliciosas Anchovas (um peixe para quem não sabe) e mais cerveja!!!
Hoje de manhã fomos à casa de Diego, outro amigo do Samuel, também oceanólogo e estágiário do NEMA que queria que fizéssemos uma coleta da água da chuva em sua casa com garrafa PET!! Foi uma experiência bem legal porque deu certo!!! A última vez que tentamos fazer calhas com garrafas PET não cortamos elas de um jeito que funcionasse, mas hoje bolamos uma forma mais funcional de utilizá-las. Fomos presenteados novamente com um delicioso almoço. Voltamos de lá agora a pouco.


Cortando as PET´s


A calha

Amanhã às 18h vamos dar a palestra no NEMA, e na terça a Deborah vai na comunidade da Barra ensinar as mulheres a fazer velas de areia. Ela também está tendo a oportunidade de fazer Yoga sem nenhum custo e está adorando, o Yoga fez muito bem para ela, em vários aspectos, físicos e psiquicos, ela está muito grata com o Leandro (o professor).

2 comentários:

Mada disse...

Que vivência vcs. estam tendo...
Estou em Goiânia, tds. aqui mandam abraços.
Quanta coisa acontecendo.
O que NEMA ? Vcs. estam em Cassino?
Um grande bjs.
DEUS ABENÇÕE vcs. a cada centímetro de suas caminhadas. bjsd. Madalena.

Martha disse...

E aí gente! Já saíram do cassino? bom, como prometido to escrevendo pra vocês, só cheguei em casa agora. Já pedi informações da EcoVila que falei lá de Riozinho, agora estou esperando a resposta da minha amiga.
E vcS? vão dar uma passadinha aqui em Porto Alegre né? Estou esperando por vcs.
Me liguem! (51)92851244
Estou no agurado.
Um abração! Boa Sorte! Adorei!