16/02/2007

Despedida da família na rodoviária


Foi uma das viagem de ônibus mais emocionante que tivemos, primeiro pela quantidade de bagagem, segunda pela ilegalidade de algumas delas, quatro caixas de abelhas nativas que iriam ser usadas como parte de pagamento do curso de bioconstrução que vamos fazer no IPEP. A gente enpacotou elas em caixas de papelão e fizemos um buraquinho paea poderem respirarem. Queríamos levar todas elas em cima, para podermos cuidar muito bem delas, mas só pudemos levar duas delas.

A Lara foi outro agravante, tínhamos comprado uma passagem a mais para ela ficar confortável e nós também, mas qual não é a surpresa que a "caixinha" dela ocupa dois lugares!!! Porém com aquele jeitinho que só brasileiro tem, conseguimos fazer caber eu mais a Lara em duas poltranas apertadas. Só que o motorista avisou:"Se alguém reclamar vou ser obrigado a tirar a cachorrinha"

Tudo bem, embarcamos, se ajeitamos e fomos embora. Passou a noite, rolaram os quilometros, estamos quase chegando em Begé, quando para minha surpresa (e leve desespero) vejo uma abelha voando na janela, eu para evitar um pânico geral, pego ela desfarçadamente e a esmago (coitadinha), mas não adianta, daqui a pouco eu vejo outra, e mais outra e mais uma... "Clé, as abelhas estão fugindo" Tive que fechar o buraco de respiração da caixa de papelã e torcer para que elas não achassem outra fresta.

Mais uns quilometros para frente a polícia rodoviária para o ônibus, revista os bagageiros e para nossa infelicidade sobe no ônibus para dar uma olhada nas bagagens de mão, quando chegou em nosso bando olhou para a caixinha da Lara e perguntou: "É vivo?" - "É sim" - responde eu pensando nas quatro caixas de abelhas que levavamos na ilegalidade ao mesmo tempo que via um menino uns bancos à frente esmagando uma abelha. "Eo certificado de vacinação" - "Tá tudo aqui" - respondi mostrando os documentos. Ele olhou tudo, me devolveu sem dizer nada e desceu do ônibus. Livres finalmente, de vez em quando eu ainda via uma abelha voando mas já estavamos à 10Km do Bagé.

Na rodoviária ligamos para o IPEP e ganhamos uma carona, pois estávamos lotados de bagagem. Chegando no IPEP soltamos as pobres abelhas, montamos as bikes, as barraca, nos intalamos e como se eu tivesse ido embora ontem daqui, me senti totalmente em casa.

2 comentários:

Mada disse...

Quando vão sair daí do IPEP ? O SEDEX CHEGA AÍ NA QUINTA OU SEXTA...
BJS.

Lucielle disse...

não pude ir na rodoca me despedir de vcs mas pelo o que vi na foto o maizena tava la presente...hehehehe
muita sorte pra vocês dois e continuem informando a gente!!!